Return

28 de outubro de 2010

Não venho me desculpar sobre a poeira digital que está esse blog. Não vai adiantar nada.

Retomei o gás, afinei algumas arestas e tirei algumas sobras. Descobri que a melhor forma de ter o gás de viver publicidade é falar sobre publicidade e desabafar sobre o dia a dia.

Atualizando meus leitores:

No último post do blog (ano passado), eu trabalhava na área de mídia na Radiola Design & Publicidade, agora sou planner da Casanova Comunicação, agência promocional . Sim, passei a linha imaginária que os publicitários insistem em manter.

Mas posso dizer que o blog está voltando. Sapo barbado volta para ficar!


Por uma verdadeira agência 360°

5 de abril de 2009

Para discutirmos planejamento e novas estratégias de comunicação, temos que entender qual é o verdadeiro significado do conceito, comunicação integrada, tão utilizado pelas agências.

Comunicação integrada não se resume apenas a uma campanha completa, que atinja o consumidor em todos os ângulos. Por trás dessa proposta existe uma organização bem planejada a fim de alcançar o consumidor de forma eficaz.

Devemos pensar em comunicação 360° dentro da agência. A comunicação deve partir de um diálogo interno produtivo, de um planejamento inteligente, em conjunto e de qualidade. A elaboração e a decisão do rumo da campanha devem incluir profissionais de outras áreas da empresa até mesmo profissionais não relacionados à comunicação, por mais polêmico que isso pareça. Assim, expandem-se os horizontes criativos, estratégicos e, consequentemente, comunicacionais.

A cada dia vemos mais exemplos desse modo de pensar em comunicação, como as agências  SantaclaraNitro e Strawberry. Pensar diferente e de forma completa é a única razão dessa estrutura. A possibilidade de sucesso de uma campanha é imensa, visto que o novo consumidor está cada vez mais resistente e mais específico aos tipos de mídias informativas.

E relembrando o post do 1° dia do Almanaque de Criação, para se buscar uma verdadeira estrutura 360° é necessário um modelo reduzido?Em minha opinião, esse modelo integrado só se aplica, quer dizer, trará sucesso em estruturas reduzidas. É praticamente impossível ter esse conceito em uma organização onde a comunicação é mediada por um tráfego ou uma forte burocracia.


1º dia Almanaque de Criação : Modelos de Agência

26 de março de 2009

4º Almanaque de Criação

4º Almanaque de Criação

Fugindo e não fugindo um pouco da proposta do Sapo Barbado, tenho que relatar a palestra do primeiro dia do Almanaque de Criação. A grande e polêmica discussão: MODELO DE AGÊNCIA. Com a brilhante e bem diagramada palestra de Regina Augusto, Diretora Editorial da M&M, percebemos que esse assunto vai dar pano para manga, principalmente em tempos de Crise.

De forma direta, Qual é o melhor modelo de uma agência?Modelos reduzidos são mais eficientes?O que tem em comum entre as agências?O que as diferenciam no mercado?Em uma explanação enxuta sobre o mercado e novas tendências, Regina Augusto mostra as possibilidades do mercado brasileiro têm para se diferenciar do mundo. E elas são: um mercado cheio de inovações em comunicação muito além da publicidade; matéria-prima (publicitários) de excelente qualidade e principalmente um mercado disposto a mudanças.

Temos tudo para se diferenciar, mas o que falta? Correr riscos.

Regina, em sua pesquisa de agência, destacou que o que as agências têm em incomum é querer correr riscos. E para isso frisou que agências devem ter e  estar preparadas com um ótimo clima interno, veja: Crispin Porter + Bogusky, Naked, Wieden + Kennedy. São relativamente novas para suportar mudanças, pois uma agência engessada e basicamente tradicional não reagiria bem a essas transformações. Deve ter uma “filosofia” para liberdade de criação, onde não se pensa em formatos e sim na idéia de onde tudo convergirá. Finalmente deve possuir, e eu concordo fortemente, mútua confiança cliente-agência. Uma relação de motivação e inspiração com o cliente, quer dizer, a idéia deve ser pensada junta. E o resto é questão de coragem, escolha e crença para acreditar que o futuro será de sucesso.

As respostas para aquelas indagações? Bem…isso fica para cada um responder, pois há modelos e modelos, estratégias e estratégias, mercados e mercados. O que vale é a criatividade e uma proposta pertinente.